Fechar barra lateral
Buscar conteúdo
Comentários recentes
    Midia

    Muito antes das redes sociais, boatos e mentiras já impulsionavam publicações em todo o mundo. Pasquins e gazetas europeias disseminavam notícias distorcidas, sobretudo com relação a personagens públicos. E qual o resultado? Boom nas vendas. 

    Troca de informações, debates, reflexões e organização de ideias entre os cidadãos nunca contaram com tantas possibilidades. Ligados em rede, quebramos os obstáculos das fronteiras. Agora, conversamos e trocamos figurinhas com pessoas a milhares de quilômetros. A interação digital é real, frutífera e altamente promissora.

    Contudo, essa plataforma fantástica permite também a disseminação de notícias falsas, semifalsas e meias verdades (ou verdades do avesso). Mas como isso tudo acontece?

    A Era da Pós-verdade
    O termo “pós-verdade” tornou-se bastante difundido em nossa época recente, após Brexit, eleições norte-americanas e impeachment de Dilma. Hoje, boatos e situações que refletem ou reforçam crenças e sentimentos particulares, às vezes, sobrepõem-se ao levantamento objetivo dos fatos. Ou seja, é tão ou mais importante consumir algo que vá ao encontro do que pensamos — mesmo se inverossímil — em comparação à verdade contrária a nossa visão de mundo.

    Mentir virou um negócio (bem lucrativo)
    Existem empresas e sites especializados em promover conteúdo falso. Eis a máquina de gerar receita: informações que fortalecem o olhar do leitor promovem alto tráfego que, por suas vez, potencializa os resultados em anúncios veiculados no site pelo Google AdSense. Aos anunciantes, o que parece um baita negócio pode não ser bem assim. Como o Google remunera baseado no trânsito observado no site, nem sempre a empresa anunciante alinha-se à orientação editorial da página, prejudicando até mesmo sua imagem institucional.

    Além disso, há sites também focados em apenas gerar conteúdo sensacionalista. Assim, o leitor mais desconfiado pode verificar a mesma notícia em diversos sites, formando uma verdadeira teia de distorções viralizada, e enxergar a realidade torna-se mais difícil. Sem falar em locais que vendem reações, comentários (positivos e negativos), compartilhamentos e afins, como o Brasil Liker.

    Ciclo vicioso patrocinado
    Pesquisas já apontam a manipulação pública por conteúdos, no mínimo, duvidosos. Perfis fictícios, páginas de discussão e robôs promovem envolvimentos artificiais. Trabalhando a favor dos algoritmos das redes sociais, por exemplo, o alcance tende a explodir, dada a suposta relevância de determinada abordagem. Isso legitima e dá a sensação de movimento natural daquela ideologia, ainda mais quando alguém próximo a nós, amigo ou familiar, reage, comenta ou compartilha tal conteúdo como verdadeiro. Governos, políticos e empresas promovem-se a partir desse meticuloso véu disfarçado de mera teoria da conspiração.

    Salve-se quem puder
    Nem sempre verificar a veracidade de um conteúdo é fácil. Há tantos detalhes e verdades inseridas em contextos falsos, que separar o joio do trigo pode nos derrotar pelo cansaço. O site Boatos.org e a Agência Lupa são bons exemplos de iniciativas oriundas desse cenário de pós-verdade. A Lupa define-se como “(…) a primeira agência de notícias do Brasil a checar, de forma sistemática e contínua, o grau de veracidade das informações que circulam pelo país”. Nesse mesmo sentido e após diversas críticas recebidas, Facebook e Google também já sinalizaram o desenvolvimento de ferramentas para combater a disseminação de conteúdos falsos. Segundo as duas gigantes, ambos não permitirão o anúncio desse tipo de conteúdo em suas plataformas, embora não tenham esclarecido de que maneira farão esse controle.

    O conhecimento tornou-se líquido em nossos tempos. Marcas estão mais próximas dos consumidores, humanizaram-se, mas boatos e informações distorcidas podem, facilmente, afetar negativamente sua imagem. O agravante, nesse caso, é a possibilidade de financiamento para denegrir concorrentes, numa acirrada e nada leal disputa por mercado ou eleitores, por exemplo. As ferramentas de comunicação ampliaram-se rapidamente. Para chegarmos a trocas e relações francas, precisamos, antes, dar algumas braçadas contra espinhosos obstáculos de desinformação.

    Se gostou deste conteúdo, compartilhe no Facebook e ajude seus amigos e conhecidos a também refletirem sobre esse importante assunto.

    Fontes:
    El País Brasil
    El País Brasil
    Nexo
    Nexo
    TV Brasil

    Envie seu comentário

    Comentário enviado com sucesso
    Seu comentário está aguardando moderação.

    Veja também
    Arquivo de Ideias
    Redes Sociais
    Contato

    Rua Dal Canalle, 2186 - sala 8001
    Caxias do Sul / RS

    (54) 3028-6094
    contato@quantaideias.com.br

    © Quanta Ideias - 2013